CRYPTOJACKING: A NOVA AMEÇA

CRYPTOJACKING: A NOVA AMEÇA

Notebook enrolado em correntes

Atenção: o seu computador e a rede de sua empresa podem estar minerando bitcoins sem você saber. Eis o risco do cryptojacking, uma nova modalidade de cibercrime. Impulsionado pelo boom das moedas virtuais, o golpe cresceu 8.500% em 2017, segundo a Symantec.

A mineração consiste na quebra de códigos criptográficos. Para encontrar a senha, os computadores resolvem cálculos matemáticos extremamente complexos – e a recompensa é paga em bitcoins. O cryptojacking visa aumentar a capacidade de processamento de uma rede de mineração.

Em geral, os hackers instalam um arquivo malicioso que obriga o computador a minerar. É como se a máquina fosse escravizada e obrigada a calcular. Alguns criminosos conseguem sequestrar computadores por meio de sites, utilizando o JavaScript dos navegadores. Enquanto o usuário acessa a página infectada, o sistema minera – um golpe quase sempre silencioso.

O principal sintoma é a queda no desempenho. Saturado pelos cálculos, o computador ou a rede se tornam mais lentos. O cryptojacking também aumenta o consumo de energia e gera danos ao hardware, devido ao superaquecimento e ao excesso de processamento. Fatos como esse nos levam ao investimento constante em segurança da informação.

Os comentários estão encerrados.