TECNOLOGIA E O AUMENTO DO EMPREGO

TECNOLOGIA E O AUMENTO DO EMPREGO

Homem sentado bebendo café
Muito tem se falado sobre o risco de desemprego trazido pela evolução tecnológica. De fato, as inovações e os movimentos disruptivos já começam a provocar mudanças no capital humano em inúmeras frentes. Mas esse cenário não é necessariamente negativo.
Um levantamento divulgado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) projeta que os avanços tecnológicos irão gerar um saldo positivo de 58 milhões de postos de trabalho até 2022. Divulgado na segunda-feira (17/9), o relatório Future Of Jobs foi baseado em entrevistas com mais de 13 milhões de profissionais de 15 países.
O WEF prevê o desaparecimento de 75 milhões de empregos nos próximos quatro anos. A área de atendimento ao consumidor é uma das mais ameaçadas, devido à popularização das ferramentas de interação virtual. Os setores de contabilidade e secretariado também devem ser bastante afetados.

Por outro lado, as inovações vão exigir um maior número de profissionais especializados em Tecnologia da Informação (TI). E essa demanda será bem intensa. A procura por analistas de dados e cientistas da computação deve puxar a fila da criação de empregos ao redor do mundo. Ao todo, o relatório aposta em 133 milhões de novas vagas até 2022.

Os comentários estão encerrados.