Pule para o conteúdo principal

Saiba como cuidar dos animais na quarentena

Saiba como cuidar dos animais na quarentena

animais na quarentena

Higiene das patinhas é um dos cuidados com os animais na quarentena. (Foto: Shuterstock)

O novo coronavírus, como o nome sugere, ainda é recente e pouco compreendido pela ciência. Por isso, uma das principais dúvidas nesse momento de pandemia é sobre os cuidados com animais na quarentena. No Brasil, já há mais animais de estimação do que crianças nos lares do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O que conforta é que, até agora, há poucos casos de animais infectados – a maioria deles teve contato com tratadores contaminados em um zoológico dos Estados Unidos. Além disso, há poucas evidências de transmissão direta de animais para humanos. Mesmo assim, é preciso se prevenir.

O primeiro passo é combater as fake news (notícias falsas). Logo que a pandemia começou, circulou na internet a foto de uma vacina veterinária que previne a Covid-19. Acontece que o coronavírus pertence a uma família viral que circula há muitos anos e de várias formas no mundo todo. Assim, os animais também tiveram um surto da doença para chamar de seu. Essa vacina, obviamente, não funciona em humanos e, tampouco, combate o novo coronavírus.

Para saber mais sobre os cuidados com animais na quarentena, preparamos seis dicas indispensáveis para você e seu pet. Confira!

Prevenção: a chave para os cuidados com animais na quarentena 

Não basta lavar sempre as mãos e usar máscara quando se tem um animal de estimação em casa. Confira as dicas para evitar o contágio.

Evite contato físico

Mesmo com os decretos locais que determinam o distanciamento social, não está proibido passear na rua com seu cão (ou gato). Além de você sair usando máscara e mantendo distância de outras pessoas, também precisa atentar aos cuidados com o animal. Por exemplo: evite que outras pessoas passem a mão no seu bichinho de estimação.

Apesar de não haver evidências, suspeita-se que o vírus pode permanecer nos pelos dos animais ou, ainda, na coleira. Assim, se uma pessoa infectada, que não mantém a higienização adequada das mãos tocar no seu animal, é possível que você esteja levando o vírus para dentro de casa através dos pelos do bichinho.

Tutor infectado deve ficar isolado

Os veterinários chamam os donos de animais de tutores. Então, se você é um tutor e está com sintomas da Covid-19 (tosse seca, coriza e febre), mantenha-se isolado do animal, pois você pode transmitir o vírus a ele.

Como ainda não há evidências claras sobre a transmissão do animal para um ser humano, é melhor evitar que ele contamine outra pessoa dentro de casa. Além disso, caso você espirre ou tussa perto do animal, as gotículas expelidas podem ficar no pelo e, assim, transmitir para o resto da família.

Um lembrete: animais exóticos, como répteis e anfíbios (tartarugas, iguanas, cobras), não se contaminam nem transmitem o novo coronavírus.

Higiene do animal

Sempre que voltar de um passeio na rua, limpe as patas do animal antes de entrar em casa. E, claro, higienize seus próprios calçados. Não apenas o coronavírus, mas outras doenças podem entrar em casa com você através da sola do sapato ou das patas dos animais. Se você gosta daquele aconchego no sofá com seu bichinho, a higiene é essencial para a saúde da família.

Basta utilizar um pano umedecido com sabão, limpando as patas e, também, as unhas do animal. Além dessas dicas, não esqueça de higienizar as mãos antes e depois de manusear a comida ou água dos pets para evitar qualquer tipo de contaminação.

Vacinação em dia

Você já ouviu falar em protocolo vacinal? São todas as vacinas que o animal deve tomar desde o nascimento até a fase adulta. Algumas, como a da raiva, devem ser renovadas anualmente. Em função da pandemia de coronavírus, muitos veterinários começaram a atender em domicílio para evitar falhas na imunização. Doenças como a parvovirose, que são graves e mais comuns do que se imagina, podem ser evitadas com a vacinação em dia. Consultas, colheita de alguns exames e claro, a vacina, podem ser feitas no conforto do seu lar.

Mantenha uma rotina saudável

Os animais são apegados à rotina e sofrem de estresse quando as coisas mudam dentro de casa. A chegada de um bebê, mudança de ambiente, uma ração nova e a repentina mudança de hábitos na pandemia podem adoecer o animal, que passa a recusar alimento e ficar deprimido. Saiba como evitar.

Animais também precisam se exercitar

Com menos passeios, é possível que seu animal fique entediado e passe a procurar outras formas de gastar energia dentro de casa. Roer móveis e bagunçar almofadas são só algumas peripécias que ele pode aprontar.

Para evitar esse tipo de comportamento, mantenha uma rotina de brincadeiras (sem incomodar o vizinho do prédio). Você também pode ensinar novos comandos, como dar a patinha, oferecendo petiscos, e claro, dando carinho sempre que possível.

Não abandone animais

Independentemente da doença que seu animal de estimação possa apresentar, jamais abandone seu pet. Peça ajuda se não tiver condições financeiras de tratá-lo. Há muitas iniciativas de organizações que auxiliam animais em situação de risco. Além disso, abandono de animais é considerado crime ambiental e pode levar à detenção de três meses a um ano, ou multa.

 

Os comentários estão encerrados.