Pule para o conteúdo principal

Governo não prioriza reajuste do funcionalismo público

Governo não prioriza reajuste do funcionalismo público

Gastos com folha devem chegar a R$ 341 bilhões. (Foto: Freepik)

Embora o presidente da República Jair Bolsonaro tenha voltado a falar sobre a intenção de reajustar o salário do funcionalismo público federal, o tema ainda parece longe de ter um desfecho positivo para os servidores. Isso  porque a pauta segue fora das despesas prioritárias do governo federal.

O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2022 tem seus recursos destinados a nove destaques setoriais, incluindo saúde, educação, segurança pública, defesa e administração pública. Todos são considerados prioritários pela Constituição. Inclusive, listados por meio da Mensagem Presidencial para o PLOA 2022.

Despesas prioritárias

Acontece, entretanto, que o relator-geral do orçamento previsto para 2022, deputado Hugo Leal (PSD/RJ), nega a existência de espaço para o reajuste dos salários do funcionalismo público no PLOA. Enquanto a tentativa de aumento é uma meta manifestada pelo Executivo e articulada com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Leal considera essa possibilidade difícil de se concretizar.

Isso porque, segundo ele, as despesas com os servidores seriam permanentes. E a prioridade de despesa com caráter de permanência, neste momento, tem como objetivo dar continuidade aos atendimentos voltados à saúde e aos benefícios de caráter social. Um exemplo disso é o novo Auxílio Brasil, criado em substituição ao Bolsa Família.

Reajuste do funcionalismo público: folha fecha a R$ 343 bilhões

Tudo indica, portanto, que o aumento salarial dos servidores para 2022 não está na prioridade do governo. Ainda de acordo com a Mensagem Presidencial para o PLOA 2022, o orçamento para o exercício do ano que vem prevê gastos com pessoal na ordem dos R$ 369,20 bilhões. Destes, R$ 343,68 bilhões servirão para o pagamento de pessoal ativo, inativo, pensionistas da União e sentenças judiciais — inclusive precatórios e requisições de pequeno valor.

Concurso público: encargos sociais e com pessoal

Neste sentido, o Anexo V do PLOA propõe despesas com pessoal e encargos sociais em vagas preenchidas por concursos públicos. Ao todo, seriam 73.640 vagas previstas no projeto. Dentre elas, 69.543 são para aprovados em concursos públicos válidos ou novos; e 4.097 autorizadas para que sejam criadas. No que diz respeito às 69.543 vagas no processo seletivo, a divisão estabelecida é a seguinte:

  • Poder Legislativo: 149 vagas;
  • Poder Judiciário:274 vagas;
  • Ministério Público da União: 229 vagas;
  • Defensoria Pública da União: 237 vagas;
  • Poder Executivo:654 vagas.

Reajuste do funcionalismo público: Precatórios em aberto

Uma das formas de custear o aumento do funcionalismo público brasileiro seria utilizar o dinheiro reservado aos precatórios. Precatório é uma requisição para pagamento de causa que o Estado perdeu na justiça. Ou seja, o dinheiro está destinado para isso, mas ainda não foi utilizado.

Com a recente promulgação da PEC dos Precatórios de forma fatiada pelo Senado Federal e Câmara dos Deputados, ainda não existe a garantia de como o dinheiro será utilizado definitivamente. Em que pese o próximo passo seja a Câmara analisar outros dispositivos inseridos pelo Senado, na PEC, ao menos três aprovações já têm validade.

  • Mudança no cálculo do teto de gastos;
  • Parcelamento de dívidas dos municípios;
  • Compensação de dívidas dos estados e dos municípios.

Até então, contudo, não há indicações para o reajuste dos valores recebidos pelos servidores federais. O Auxílio Brasil, por exemplo, está pendente de votação. O Senado incorporou à PEC um trecho que torna esse programa permanente, para além de 2022. Agora, compete à Câmara fazer a aprovação.

Despesas com vacinas, Auxílio Brasil e Auxílio Gás

Nesse rumo, após a promulgação de parte da PEC dos Precatórios, o próprio Ministério da Economia encaminhou um ofício com sugestões de alterações do PLOA 2022 ao Congresso Nacional. Elas giram em torno de despesas influenciadas pela inflação e de despesas obrigatórias, tais como gastos com benefícios previdenciários e seguro-desemprego. Além disso, o ministério também ressalta a necessidade de recursos voltados ao Auxílio Brasil, à aquisição e distribuição de vacinas e ao Auxílio Gás.

Vale destacar que ainda poderá haver modificações no texto do PLOA. Sua última tramitação foi registrada na Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO). E mesmo com prazos em aberto, há a informação que seja realizada a votação de parecer do PLOA até o fim de dezembro.

Artigos relacionados

Governo não prevê reajuste dos servidores federais em 2022

Mudanças na gestão da aposentadoria dos servidores federais pelo INSS

Pensando em pedir um empréstimo ou um cartão de crédito consignado? O site da Bem Promotora oferece informações adicionais relativas ao tema. Lá, você também encontra ótimas opções para diversos tipos de clientes, inclusive negativados. Simule sua proposta com a gente.